Vocação é diferente de talento

Artigos      Laboratório de Talentos • 24 Junho 2015

"Vocação é diferente de talento. Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é, pode-se ser chamado e não saber como ir."
Clarice Lispector

Vocação vem do latim “vocare” que significa “chamar”.

É uma inclinação, uma tendência ou habilidade que leva o indivíduo a exercer uma determinada carreira ou profissão.

Talento vem do latim talentum.
É a capacidade intelectual que uma pessoa tem de desenvolver uma atividade com facilidade e habilidade e está relacionado com a aptidão ou a inteligência.

Eu não sei se você já leu o meu perfil. Lá eu conto um pouquinho sobre a minha história e como ela me inspirou a criar o Laboratório de Talentos.

Mas faz tempo que eu queria escrever algo mais específico sobre talentos, usando a minha vida como exemplo, então vamos lá.

Eu nunca ouvi “O Chamado”, que eu defino como aquela sua voz interna que te diz: Nossa, é isso que eu quero fazer da minha vida!

Embora eu tenha sido uma criança muito estudiosa, que gostava de todas as matérias e tirava boas notas em todas, paixão, paixão mesmo, eu não tinha por nenhuma em especial.

Eu lembro como se fosse hoje do meu último ano do ensino Médio e da minha formatura. Eu tinha uma amiga que sabia exatamente o que queria ser da vida, tipo, claro como água. E eu ficava pensando: Puxa! Como deve ser emocionante ter uma Vocação!

Por causa disso, eu sempre senti um vazio lá no fundo de não ter uma Vocação latente, um chamado para fazer algo que fizesse os meus olhos brilharem, o coração bater, assim como estamos apaixonados, sabe?

Quando eu fecho os olhos e lembro da Jacqueline adolescente, eu sinto uma compaixão muito grande. Porque aquela menina precisava ser orientada e precisava de alguém que dissesse para ela no momento certo: - Ok, você não tem uma vocação latente, mas você tem Talentos! Vários deles, que são importantes, especiais e que fazem de você uma pessoa única, cheia de qualidades e com um valor inestimável para a sociedade!

Eu descobri de uma maneira muito dura, que vocação e talentos são coisas diferentes (pare e leia o quadro ao lado, para entender essa diferença). Foi uma maneira dura porque eu tive que juntar as peças de um quebra cabeças, jogando por tentativa e erro, até entender como montá-lo por inteiro.

O que eu descobri? Que eu não tinha uma inclinação latente (vocação) para nenhuma profissão específica, mas eu tinha inúmeros talentos que poderiam ter norteado a minha escolha profissional. Por exemplo, eu era boa para ensinar, para escrever e para falar em público. Ao longo da minha vida eu lapidei esses talentos intuitivamente e os fiz melhores e maiores, o que me deu facilidade e habilidade para exercê-los.

Eu usei esses talentos intuitivamente na faculdade, mas, como não tinha consciência deles, não relacionei esses talentos aos meus objetivos de vida e acabei pegando o caminho mais longo.

Quando lá na frente eu aprendi a usar os meus talentos de modo consciente, surgiu a minha vocação, ou seja, eu descobri o que eu amava fazer com a prática e o autoconhecimento.

Muitos amigos de juventude não conseguiram chegar tão longe, mesmo tendo vocações, enquanto eu conquistei o sucesso pessoal desenvolvendo talentos.
Sabendo hoje o que eu sei, arrisco agora a ter dar um conselho que pode te ajudar a pegar um atalho valioso:

Se você tem uma vocação, foque em desenvolver os talentos necessários para fazê-la brilhar. Se você não tem, não se preocupe. Eu te garanto que você se sairá muito bem. Eu te garanto que se você quiser vai descobrir um monte de talentos legais, vai trabalhar neles e vai usá-los a seu favor. Basta conhece-los, mapeá-los e usá-los nos seus objetivos.

Da minha experiência, nasceu o Laboratório de Talentos. Para que os jovens e pais possam trocar, para que escolas e empresas possam contribuir.

Para acessar mais artigos legais, acesse: