Pokémon Go - E agora, como lidar com essa febre?

O Poder dos Pais      Jacqueline Vilela • 04 Agosto 2016

 

Enquanto eu escrevo esse artigo uma enorme quantidade de crianças e adolescentes "caça" pokémon na área comum do prédio. Enlouquecidas, deslumbradas e cheias de dopamina.

O "Pokémon Go" é a mais nova febre do momento no mundo e se trata de um game gratuito que usa realidade aumentada e GPS para levar os monstrinhos da Nintendo para o mundo real.

No jogo os usuários precisam caçar, capturar e treinar todos os monstrinhos e para fazer isso eles precisam andar pelas ruas da cidade e encontrá-los.

Esse jogo torna ainda mais latente uma questão que eu venho alertando sempre para as mães e pais: As tecnologias ficarão cada vez mais inteligentes e o uso delas precisa se tornar também inteligente.

Nossos filhos estão preparados para o Pokemon Go?

Você está preparada (o) para esse avanço iminente das tecnologias?

 

Eu tenho estudado, ensinado e postado diversos vídeos sobre a importância do uso equilibrado das tecnologias na vida dos nossos filhos, para a saúde do cérebro e física. Por isso eu preciso te deixar presente para alguns cuidados com o novo jogo, que podem evitar transtornos em um futuro bem próximo:

 

1) SEGURANÇA

 No Japão, as autoridades decidiram tomar uma série de medidas para permitir a entrada do Jogo no país, como proibir a aplicação em algumas zonas consideradas perigosas e com risco de acidentes, enviar uma petição para a Niantic (criadora do jogo) para que os Pokémon não apareçam nas autoestradas.

Em vários países foram registrados acidentes de trânsito ocasionados por pessoas que jogavam o "Pokémon Go" enquanto dirigiam. Na Califórnia, dois homens tiveram que ser resgatados após caírem de um barranco. Em Ohio, três adolescentes entraram em uma usina nuclear.

No Brasil, roubos de celulares já foram relatados. No Paraná, um jovem foi atropelado e outros dois caíram num rio e lago em Curitiba, também quando tentavam pegar as criaturas

Esses exemplos mostram o quanto é importante estabelecer regras de uso para o novo jogo com o seu filho. Onde será permitido jogar? Qual a segurança que os locais oferecem?

Também cabe uma conversa sincera sobre segurança, riscos, responsabilidade no uso, principalmente se o seu filho tem celular e o leva para todos os lugares, onde você não conseguirá supervisionar.

 

2) TEMPO DE TELA PARA O JOGO

Com a febre do jogo é provável que o seu filho aumente (ou queria aumentar) o tempo que fica jogando.

Nessa questão você precisará estar muito segura quanto ao posicionamento da família (seu, do seu parceiro ou parceira) quanto as regras de uso de tecnologias.

A negociação sempre é o melhor caminho. Jogar Pokémon Go significa, necessariamente, usar o tempo de tecnologias que o seu filho já tinha e não acrescentar mais.

Por exemplo, se o acordo era 1 hora por dia, ao usar o jogo durante esse período o seu filho automaticamente perde o direito de jogar outros jogos naquele dia. Com essa atitude você está ensinando para o seu filho sobre fazer escolhas e, eu garanto, será de grande valia para a vida dele.

 

3) REGRAS DE USO

Em quais horários jogar não será permitido? Em quais locais jogar não é uma opção?

Se as regras de uso não forem estipuladas, a partir de agora parques serão sinônimos de crianças com celular (seus ou dos pais) na mão e mais uma vez o contato com a natureza (já prejudicado) acabará sendo vivenciado através de uma tela.

 

4) BUSQUE O EQUILIBRIO

O equilíbrio sempre é o que se busca. Não buscar esse equilíbrio é deixar o seu filho à mercê de uma tecnologia cada vez mais atraente.

E isso significa tirar a vivência que ele precisa para adquirir habilidades emocionais e de relacionamentos tão necessárias para a sociedade moderna.

Se você sente que está perdendo essa Guerra, se está difícil criar regras, estabelecer contratos saudáveis com o seu filho, então busque ajuda. Não saber como lidar agora com o uso causará danos físicos e emocionais no seu filho.

E você, como lida com o uso das tecnologias com os seus filhos? Comenta abaixo que eu adorarei saber.

 

adolescente cel