O Mundo visto pela TV e Redes Sociais

O Poder dos Pais      Jacqueline Vilela • 18 Novembro 2016

Vivemos a violência diariamente e muitas vezes é difícil explicar as notícias do dia a dia para os filhos. Eu já me peguei várias vezes em dúvida sobre como explicar, quanto explicar e sobre o impacto da informação, embora eu tenha a certeza de que conversar com os filhos é sempre a melhor opção.

Aqui em casa raramente assistimos TV aberta perto da minha filha, mesmo assim a notícia chega através de amiguinhos, de avós, avôs, conversas que as crianças escutam e através do olhar curioso das crianças para o mundo que as cercam.

Por exemplo, eu já escutei:

- Mãe, por que aquela pessoa dorme na rua? Ela merecia ter uma casa. Por que ela não pode ter uma casa? Se ela trabalhar, ela pode ter uma casa! Vamos falar para ela que ela pode trabalhar e ter uma casa...

- Mãe, por que eu não posso abrir o vidro do carro?

- Mãe, por que os ladrões roubam e matam?

- Mãe, por que eu tenho que entrar logo no carro quando estamos sozinhas à noite?

- Mãe, por que Deus permite que as crianças tenham pais que não amam elas? Não daria para as crianças nascerem só de mães que amem elas?

Uma recente pesquisa apontou que 61% das crianças e adolescentes de São Paulo sentem medo de violência e roubo e isso se traduz nos desenhos que elas fazem sobre como ela interpreta o mundo.

61% das crianças e adolescentes de São Paulo sentem medo de violência e roubo

Blindar o filho de informação e não o ensinar a filtrar, ter análise crítica, não generalizar e desconfiar das fontes tem criado uma geração de adolescentes que compartilham notícias falsas, não se posicionarem sobre assuntos importantes e acreditam na ilusão criada pela Internet.

Se você também tem essas dúvidas, eu traduzo abaixo uma instrução do Common Sense Media sobre como lidar com as notícias que o seu filho vai consumir de acordo com a idade dele:

Dicas para todas as crianças

Considere suas próprias reações. Seus filhos vão olhar para a maneira como você lida com as notícias para determinar a sua própria abordagem. Se você permanecer calmo e racional, eles vão, também.

 

Dicas para crianças com menos de 7 anos

Mantenha as notícias ruins longe. Tome cuidado com os canais que você assiste porque as crianças prestam mais atenção do que você imagina. Leia o jornal fora do alcance de jovens olhos que podem ficar assustados com as imagens (crianças podem responder fortemente a imagens de outras crianças em perigo).

Crianças pré-escolares não precisam ver ou ouvir sobre algo que só vai assustá-las, especialmente porque eles podem facilmente confundir fatos com fantasias ou medos. 

Preste atenção aos desenhos do seu filho e como ele tem representado o mundo e as pessoas.

 

Dicas para crianças de 8 a 12 anos


Considere cuidadosamente a maturidade e temperamento do seu filho. Muitas crianças podem lidar com uma discussão de eventos ameaçadores, mas se seus filhos são sensíveis, não se esqueça de mantê-los longe das notícias de TV; Imagens repetitivas e histórias podem fazer os perigos parecerem maiores e mais próximos de casa.

Esteja disponível para perguntas e conversas. Nesta idade, muitas crianças vão ver a moralidade dos eventos em preto e branco e estão no processo de desenvolver suas crenças morais.

Você pode ter que explicar os conceitos básicos de preconceito e conflitos civis e religiosos. Mas tenha cuidado em fazer generalizações, uma vez que as crianças vão levar o que você diz muito a sério. Este é um bom momento para perguntar-lhes o que eles sabem, uma vez que provavelmente ela pode ter obtido suas informações de amigos, e você pode ter que corrigir os fatos.

Fale sobre - e filtre - a cobertura de notícias. Você pode explicar que até mesmo programas de notícias competem por telespectadores, o que às vezes afeta decisões de conteúdo.

Se você deixa o seus filhos usarem a Internet, pesquise a notícia de outras formas com eles. Algumas das imagens postadas são simplesmente horríveis, por isso monitore o que os seus filhos tem acesso nas redes sociais e sites.

Dicas para adolescentes


Verifique as escolhas. Uma vez que, em muitos casos, os adolescentes terão absorvido a notícia independentemente de você, conversando com eles você pode oferecer grandes insights sobre a sua política em desenvolvimento e seus sentidos de justiça e moralidade.

O seu filho também irá ajudá-lo a ter uma noção do que eles já sabem ou aprenderam sobre a situação de suas próprias redes sociais. Ele também lhe dará a oportunidade de lançar seus próprios insights sobre tudo o que aprendeu e você poderá ter uma noção clara sobre como ele constroi a visão de mundo.

Deixe os adolescentes se expressarem. Muitos adolescentes vão se sentir apaixonados sobre os acontecimentos e podem até personalizá-los se alguém que eles conhecem tenha sido diretamente afetados.

Eles provavelmente também estarão cientes de que suas próprias vidas podem ser afetadas pela violência. Tente abordar suas preocupações sem descartá-las ou minimizá-las.

Se você discordar dos retratos da mídia, explique por que seus adolescentes podem escolher, filtrar e averiguar os meios através dos quais eles absorvem notícias das mensagens transmitidas.

 

E você? Como lida com as perguntas feitas pelos seus filhos?

 

Compartilhe a mensagem e até o próximo artigo!

 

Leia também: SuperConectados - A goleada das tecnologias sobre os nossos filhos

Leia Também: Sobre adolescência, escolhas e nudes

 

Aqui você aprende mesmo