A adolescência e o papel familiar

Quero ajudar meu filho      Renata Burgo • 22 Junho 2015

A adolescência é uma fase de profundas e rápidas transformações físicas e mentais. É a época dos dilemas, conflitos e rebeldia, mas isso tem uma explicação científica, pois o período é marcado pela formação da identidade do jovem, que até então tinha como base e referência os padrões familiares.

É a fase em que ele questiona princípios aprendidos e vai em busca modelos externos para definir a sua individualidade e personalidade.

É um ciclo complexo e importante para qualquer pessoa, já que a infância passou e a fase adulta ainda não chegou. É a idade da necessidade de afirmação que chega carregada de dúvidas e incertezas.

Um dos dilemas mais ressaltados nesse período é o da escolha profissional, já que o adolescente, mesmo com quase nenhuma vivência, ‘precisa’ escolher uma profissão que definirá não só uma carreira, mas também quem ele será e como será seu estilo de vida, nos próximos anos.

O Papel Familiar

A expectativa familiar nessa fase pode deixar o adolescente mais confuso e pressionado, pois ele precisa diferenciá-la de seus próprios desejos. E na tentativa de querer ajudar, muitos pais ou acabam influenciando demais na decisão profissional dos filhos ou, ao contrário, negligenciam seu papel de acolhedor, deixando-os sem apoio.

É verdade que o contato com pais e familiares, na adolescência, acaba sendo substituído por grupos e pessoas externas como amigos, professores e personalidades importantes; mas é verdade também que esse auxílio e contribuição dos pais e familiares é esperado e de suma relevância.

Os valores familiares ensinados desde a infância, vão influenciar diretamente ou indiretamente à construção da identidade desse jovem, e isso vai refletir na sua personalidade e escolhas daqui para a frente.

Como ajudar?

O primeiro passo para que os pais consigam facilitar essa decisão do filho é entender que as transformações e questionamentos são inevitáveis. A partir daí, é colaborar com os anseios e dúvidas, incentivando-os a buscar informações com profissionais que atuam em cada área desejada e encorajando-os a compartilhar suas análises e conclusões.

É importante que os pais tomem uma postura de neutralidade, para que o desejo deles não seja determinante na escolha profissional desse jovem. O papel dos pais é apoiar e encorajar os filhos a escolherem a profissão que mais se identificam, para garantir que o filho tenha oportunidades de sucesso e realizações pessoais.

Para que essa decisão seja tomada com assertividade, é importante que o adolescente tenha auxílio profissional e um bom suporte familiar, por isso é indispensável que os pais busquem informações para simplificar a decisão do jovem indeciso.

 

1