Quem Sou

Sobre Nós      Laboratório de Talentos • 19 Junho 2015

Olá,

Eu sou a Jacqueline. Nasci no Rio de Janeiro, mas me mudei com 6 anos para São Paulo porque o meu pai encontrou um emprego melhor. Então digo que eu sou carioca e paulista ao mesmo tempo, não dá para deixar de ser um ou outro, simples assim.

A minha tarefa é ensinar a ver. Quem vê nunca fica entediado com a vida. E, como os olhos refletem o que vimos, os que brilham enxergam um mundo diferente, cheio de possibilidades.

Os meus olhos ficaram embaralhados por um ensino burocrático. Eu estudei em escola pública até o ensino médio e tudo o que eu precisava fazer era tirar boas notas e passar de ano, o que eu fazia muito bem. Eu era uma aluna modelo, boletim impecável. Mas não tive, em nenhum momento da minha vida escolar, orientação vocacional, alguém que identificasse os meus talentos, as minhas habilidades. Cheguei no último ano do ensino médio sem saber o que eu queria fazer da vida e somente no último ano eu comecei a me dar conta de que eu precisaria escolher uma profissão para chamar de minha, aos 16 anos.

A pergunta que a escola não me ensinou a responder: O que eu quero ser quando crescer? No que eu sou verdadeiramente boa? Quais os meus talentos?

No momento crucial da minha vida eu estava sozinha e o meu processo de escolha foi baseado nos recursos que eu tinha, com pouca experiência: Eu sempre fui boa em exatas e trabalhava como aprendiz em um banco. Então, aos 17 anos, eu comecei na faculdade de Administração de Empresas e, aos 20 anos, eu me formei. Um pouco antes de me formar eu comecei a trabalhar com Comércio Exterior, um ramo em plena expansão e com muitas perspectivas. Me agarrei à área, fiz pós-gradução, um processo natural já que eu havia sido inserida nesse contexto, estava me saindo bem e tinha reais possibilidades de ascensão.

Nessa área eu trabalhei 15 anos e, como não poderia ser diferente quando você não escolhe com amor, eu comecei a me questionar. Embora bem sucedida, eu descobri, com 31 anos, que eu “poderia” não querer fazer aquilo para o resto da minha vida. O processo de aceitação foi difícil e, apenas depois de terminar o MBA em coaching, eu tive a coragem de mudar radicalmente a minha vida e assumir que eu queria viver para ajudar outras pessoas a se encontrarem na vida profissional.

Um texto que marca muito a minha mudança é Pipoca, de Rubem Alves. A pipoca deixa de ser de um jeito, para ser tornar algo completamente diferente. “Morre e transforma-te”, dizia Goethe. Comigo foi assim. Eu tive que morrer nos meus conceitos e profissão, para renascer na minha essência.

Eu descobri que não queria me tornar um Piruá, aquele milho da pipoca que não estoura e continua duro a vida toda, no fundo da panela, sem que ninguém queira.

O mundo muda a cada segundo, mas a verdade é que uma parte crucial de você desemboca em um funil, que se traduz em uma escolha: A sua escolha profissional.

E é sobre essa escolha que eu quero falar com você. É por causa dessa escolha que eu resolvi fazer este site. Porque não dá para tratar com superficialidade a decisão mais importante da sua vida.

Eu te digo, com todas as letras: Se tiver que investir o seu tempo nesses anos cruciais, escolha descobrir, incansavelmente, o que você gostaria de fazer pelo resto da sua vida, com amor, e ainda ganhando para isso. Vamos começar?

ass jacqueline